Cuidados e dicas para comprar uma empresa de segunda mão

Pró-labore e divisão de lucros: qual a diferença?
13 de maio de 2019
Qual a diferença entre MEI, EI, EIRELI e demais tipos societários?
31 de maio de 2019

Diante da crise econômica muitos negócios foram colocados para venda. Para uns sinônimo de prejuízos, para outros, chance de lucros. Se você pensa em comprar uma empresa de segunda mão, confira as dicas para acertar na negociação e começar com o pé direito.

Por que comprar uma empresa de segunda mão?

Muita gente se pergunta em qual o verdadeiro benefício em comprar uma empresa, quando na prática qualquer um pode iniciar um negócio do zero com certa facilidade. A grande questão por trás deste fato é que cada empresário possui uma visão de mercado, um estilo e uma forma de negociar. Comprar uma empresa vale a pena de acordo com os seguintes fatores:

Conhecimento de mercado

Uma empresa já existente possui informações sobre o mercado que uma iniciante não tem. Isso pode ser uma grande vantagem estratégica para o empreendedor, especialmente em mercados com grande concorrência ou com uma dinâmica mais fechada.

Por exemplo: se você deseja investir no setor de seguros, comprar uma seguradora que já possua entendimento sobre o mercado é muito mais inteligente que abrir uma empresa do zero neste setor, uma vez que o ramo de seguros possui grande dependência das relações de confiança. Mas é sempre bom lembrar: cada caso é único.

Transferência de experiência

Quando um empresário vende sua empresa ele também está vendendo parte do seu know-how, ou seja, seu conhecimento prático. Esse é um elemento difícil de mensurar. O que um empresário iniciante pode gastar anos para aprender sozinho pode ser negociado e transmitido durante o processo de compra de uma empresa. Obviamente, não há como garantir que você terá, junto com a empresa que estará comprando, toda a experiência necessária.

Cartela de clientes

A formação de clientela é um dos grandes problemas das empresas que começam do zero. Essa questão pode ser resolvida pela compra de um negócio de segunda mão. Entretanto, este é um assunto delicado. Os clientes do antigo dono só se manterão fieis se o empresário atual cumprir com o padrão de qualidade já estabelecido.

Estrutura

Uma empresa já existente é vendida com sua estrutura completa. Quando falamos de lojas físicas, todo o maquinário, equipamentos e facilidades estão incluídos na negociação. Geralmente as empresas de segunda mão são vendidas por valores atraentes, o que representa uma boa economia no que se refere aos itens físicos. Normalmente, montar uma loja do zero costuma ser bem mais caro que comprar uma loja já devidamente equipada.

Valor de marca

Mesmo que o empresário não pretenda manter a mesma marca do antigo dono, há um ganho representativo no que se refere ao branding. Se a empresa negociada for reconhecida, vale a pena fazer os devidos ajustes e permanecer com a mesma marca. De acordo com a empresa, público e perfil de vendas, trabalhar com uma marca já estabelecida será mais vantajoso que construir um conceito comercial do zero.

O que você precisa saber antes de comprar uma empresa

Analisando todos esses fatores, se a sua decisão for de investir numa empresa de segunda mão, alguns cuidados devem ser tomados para que você não perca dinheiro nem se envolva em enrascadas. Fique atento aos temas e dicas abaixo:

1 – Faça uma detalhada pesquisa sobre a empresa em questão

Não basta apenas visitar a empresa. Converse com clientes, vizinhos, concorrentes e fornecedores. Como é a atuação desta empresa? Os donos são idôneos? Uma maneira de conhecer melhor sobre um negócio é batendo um papo com os funcionários. Eles estão satisfeitos com o modelo da empresa? As relações são harmoniosas?

Caso encontre algum problema, anote e discuta diretamente com o atual dono. Jamais compre uma empresa que não possua uma boa imagem por parte dos demais envolvidos no jogo empresarial. 

2 – Estabeleça um contrato de confiabilidade

Nenhuma empresa irá lhe fornecer os dados necessários para uma boa negociação sem que seja feito um contrato de confiabilidade. Esse documento garante que o possível comprador não repasse as informações financeiras da empresa adiante. Ele é uma garantia para o empresário vendedor, mas também serve para que o comprador não enfrente problemas legais caso desista da compra.

3 – Analise os demonstrativos financeiros

Uma vez feito o contrato de confiabilidade, é hora de avaliar, detalhadamente, como anda a saúde financeira deste negócio.

Vamos ser objetivos: raramente alguém vende uma empresa que está dando muitos lucros. Portanto, é crucial que você avalie o real motivo da venda e como isso irá impactar em sua gestão. Quando um negócio é colocado para venda é importante analisar em que situação estão as contas. Este é o momento de chamar um contador experiente para fazer uma checagem profissional e meticulosa.

4 – Determine exatamente o que será comprado

Para isso é preciso fazer um inventário de tudo o que estará incluso na compra – desde a parte física até as vantagens empresariais como cartela de clientes, fornecedores e condições de atuação dentro de um mercado. É muito importante definir isso de maneira clara no contrato de compra e venda. Para a melhor elaboração deste tipo de documento, mais uma vez será importante ter ao seu lado um contador e também um advogado.

Em alguns casos a negociação inclui a venda do CNPJ e demais registros em nome do antigo dono. Quando isso ocorre é preciso redobrar a atenção e verificar se não há pendências ocultas em nome da empresa que pretende comprar.

5 – Avalie toda a situação tributária da empresa

É muito comum que empresas com dívidas sejam negociadas abaixo do valor de mercado. Não há nada de errado nisso, desde que ambas as partes estejam de acordo e essa seja uma informação compartilhada já no início da negociação.

Tenha muita cautela com dívidas de impostos. Empresas endividadas com a justiça trabalhista ou a Receita Federal podem se tornar uma grande dor de cabeça para o novo empreendedor. Verifique a situação da empresa nos sites competentes e solicite todos os comprovantes fiscais de tributos.

6 – Verifique se não há sócios ocultos na transação

É muito importante garantir que você estará negociando com todos os donos da atual empresa, evitando assim cobranças futuras e problemas judiciais. Estude o Contrato Social da empresa e veja quem são os sócios, suas funções e cotas. Reúna-se com todos eles e estabeleça uma negociação assertiva e boa para todos os envolvidos.

Resumindo

Além de todos esses cuidados é importante decidir que rumo a empresa terá sob nova administração. O modelo de negócios do dono anterior será mantido ou a empresa passará por uma guinada? Os funcionários serão os mesmos ou haverá uma renovação no quadro de colaboradores? A empresa trabalhará no mesmo setor ou expandirá seu raio de atuação?

Não existe fórmula mágica, cada empresa possui um perfil que deve ser analisado individualmente. O ideal é que o novo proprietário faça algum tipo de mudança positiva, que diferencie sua gestão da anterior. Isso reforça a ideia de inovação junto aos clientes e motiva ainda mais os funcionários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *